Ataque de feministas a cristãos é manifestação do espírito de Jezabel – Rádio Vida Plena – A palavra de Deus na palma de sua mão

Ataque de feministas a cristãos é manifestação do espírito de Jezabel

No final de 2019, uma igreja evangélica pentecostal na Alemanha foi alvo de um ato de vandalismo por parte de um grupo feminista que pichou o exterior do templo e incendiou uma van da congregação, usada no cotidiano da igreja. Sinal do espírito de Jezabel, afirmou um escritor cristão.

O escritor e apresentador de rádio Michael Brown publicou um artigo no portal The Christian Post comentando a manifestação extremista das feministas alemãs e citando outros dois casos semelhantes.

Brown incentivou os cristãos do país a se unirem para resistir à pressão e perseguição religiosa perpetrada pelos adeptos do progressismo.

Confira o artigo na íntegra:

Se essa história não é “jezabelista”, nada é verdade. Conforme relatado pela Catholic News Agency, “um grupo feminista radical recebeu crédito por uma série contínua de ataques a defensores pró-vida na Alemanha, incluindo o vandalismo de duas igrejas e a queima do carro de um jornalista pró-vida”.

Esse é o espírito de Jezabel no trabalho, o espírito do feminismo radical, o espírito do anticristo, o espírito de matar bebês. E não é um espírito razoável, que busca mudar de coração através do diálogo e da discussão. Em vez disso, é o espírito de intimidação, o espírito do medo, o espírito que procura silenciar todas as vozes opostas. É o espírito que diz: “Se você ousar se posicionar pela vida, pagará por isso!”.

Um grupo que se autodenomina “Célula Autônoma Feminista” assumiu a responsabilidade de vandalizar uma igreja em Tübingen em 27 de dezembro, acusando-a de “atitudes anti-feministas”.

Então, quatro dias depois o grupo disse que havia incendiado o utilitário esportivo pertencente ao jornalista alemão Gunnar Schupelius. 

Schupelius, colunista do jornal BZ, escreveu artigos que apoiam visões pró-vida. Na carta de “confissão” o endereço residencial de Schupelius foi publicado em uma tentativa de incitar mais violência.

Eu disse que Jezabel usou táticas de intimidação ao invés de razão?

Uma semana depois, a célula autônoma feminista estava de volta. “Na noite de 8 a 9 de janeiro, a tinta foi jogada no prédio da igreja [em Berlim]. Mais tarde, uma carta foi publicada online explicando que o ataque de tinta foi uma resposta à igreja que hospedava os participantes durante o March for Life, um evento realizado anualmente em setembro”.

Jezabel está falando claramente: defenda os nascituros e você pagará por isso. Segure-se aos princípios bíblicos, e nós o atacaremos.

Curiosamente, em contraste com os Estados Unidos, o movimento pró-vida na Alemanha é muito pequeno, a ponto de o March for Life do ano passado ter uma participação recorde de apenas 8.000.

Mas a igreja em Berlim não ficou em silêncio. Em vez disso, organizou uma conferência especial pré-marcha “destinada a conectar ativistas pró-vida em toda a Europa”. 

Segundo os vândalos, isso era inaceitável. Na carta que recebeu o crédito pelo ataque, os vândalos disseram que a Marcha pela Vida serve como uma plataforma para os oradores ‘fundamentalistas, anti-trans, homofóbicos, antissemitas, mongininistas [sic], patriarcais e conservadores de direita’, e portanto, o ataque a eles foi legítimo”.

Isso soa familiar?

Primeiro, aos olhos das feministas radicais, seus ataques são justificados. Afinal, essas crenças cristãs fundamentalistas e primitivas são perigosas para a sociedade em geral. Eles devem ser apagados antes que possam destruir mais vidas.

Segundo, esses cristãos perpetuam o patriarcado do mal. A dominação masculina deve se opor, mesmo violentamente. Afinal, o patriarcado é culpado de violência perpétua contra as mulheres.

Terceiro, por definição, os cristãos fundamentalistas são anti-trans, homofóbicos e misóginos. Em outras palavras: “Cristãos, você não deve acreditar que a biologia importa e que Deus nos fez homem e mulher. Se você diz que o casamento é a união de um homem e uma mulher, você é um fanático. E se você defende a santidade da vida, é odiador de mulheres”.

Quarto, e talvez surpreendentemente, esses cristãos também são “antissemitas”.

Essas feministas radicais realmente se importam com os judeus da Alemanha? Ou é outra tentativa de colocar um rótulo negativo e estereotipado nesses cristãos conservadores?

Certamente, houve mais do que suficiente antissemitismo na história da Igreja, mas o movimento pró-vida da Alemanha é antissemita? Não de acordo com a Associação Federal pelo Direito à Vida (Bundesverband Lebensrecht eV, ou “BVL”), que respondeu à Célula Autônoma Feminista com sua própria carta. 

Em parte, a carta dizia: “Felizmente, existem milhões de pessoas que não ficam desconcertadas com essa bobagem de tentativa de classificação incorreta, incluindo, é claro, muitos cristãos que não estão apegados a nenhum tipo de fobia, ódio ou atitude de discriminação, contra homossexuais, judeus, mulheres ou outros. Por tudo isso, é derrotista se você leva o cristianismo a sério e o conhece”.

Mas esse é o verdadeiro problema.

Jezabel odeia a mensagem do cristianismo, a mensagem dos profetas, a mensagem da vida. Jezabel despreza a autoridade de Deus, substituindo-a pela adoração idólatra de outros deuses, levando à exaltação do eu. Em suma, “Não teremos Deus sobre nós!”.

A casca de Jezabel, porém, é maior que sua mordida. Apenas enfrente-a e recuse-se a se intimidar com suas ameaças e intimidações e, no final, ela será derrotada. Permaneçam fortes cristãos pró-vida da Alemanha! Os nascituros estão dependendo de você.

Mostre mais
Close